23/09/2018

Atriz Juliana Paiva não esconde a felicidade pelo sucesso de Marocas protagonista de O Tempo Não Para

Namorando o ator Nicolas Prattes, que vive seu par romântico na trama, ela mantém a discrição quando o assunto é vida pessoal.
Juliana Paiva, 25 anos, não esconde a felicidade pelo sucesso de Marocas, protagonista de O Tempo Não Para. Na trama, inicialmente ambientada em 1886 e transferida para os dias atuais, ela vive uma jovem que se adapta facilmente ao ano de 2018. "Marocas quer aproveitar as coisas boas do século 21. Sei que sou suspeita, mas esta história é muito legal."




Namorando o ator Nicolas Prattes, que vive seu par romântico na trama, ela mantém a discrição quando o assunto é vida pessoal.

"Estou feliz", diz a atriz, que faz alguns posts com o ator, usando a hashtag #Samurocas, como o público shipa o casal da novela nas redes sociais.

Antes de O Tempo Não Para, Juliana já havia protagonizado Além do Horizonte (2013) e, depois, participou de tramas como Totalmente Demais (2015), em que viveu a divertida Cassandra, e A Força do Querer (2017), quando interpretou a centrada Simone. Com maturidade, ela afirma lidar naturalmente com a oscilação da profissão e o tamanho de seus personagens.

"Assim como não encaro o peso de ser protagonista, também não encaro como peso não ser. Em Totalmente Demais, a Cassandra tomou uma proporção muito grande na trama, algo além do previsto. Em A Força do Querer, a Simone estava em um núcleo que falava de uma questão importante, contracenava com tanta gente boa... Nosso trabalho é sempre observado e as oportunidades chegam. A Marocas é reflexo disso."
Namorando o ator Nicolas Prattes, que vive seu par romântico na trama, ela mantém a discrição quando o assunto é vida pessoal.

QUEM: O Tempo Não Para tem conquistado muitos elogios. Como tem sido o trabalho nesta novela?
JULIANA PAIVA: A Marocas é uma personagem muito conflitante. Se o Samuca [Nicolas Prattes] vacilar com ela no século 21, ela não vai perdoar, afinal tem educação e costumes do século 19. Ela é um papel muito forte e há humor o tempo inteiro. O contraste é um prato cheio para este humor. A graça é lançada para o público, mas não para os personagens. Marocas é divertida e solar, mas vive um choque de realidade muito grande. Tudo o que ela tinha como referência, ela perdeu. Nada é piada! A piada é para quem vê a situação e não para quem vive. Imagina aquela família atravessando a Avenida Paulista com aquelas roupas de época?

+ Atriz Isis Valverde revela nome que dará ao filho

QUEM: Como foram as gravações em São Paulo?
J.P.: Gravamos em São Paulo recebemos olhares hilários. Em um intervalo de gravação, fui a uma lanchonete para ir ao banheiro. Esqueci que estava com aquele figurino todo. Quando entrei os olhares foram de "tadinha, fugiu do hospício" ou " a Juliana deve estar fazendo uma peça de teatro" (risos). É interessante esse olhar e é fácil embarcar na história. A preparação foi fundamental. Nós, do núcleo dos congelados, nos preparamos separadamente do núcleo do século 21. Por exemplo, eu e o Nicolas gravamos muitas cenas juntos, mas fomos proibidos de nos preparar o juntos justamente para ter esse de olhar de "quem é você?" e estranhar tudo. A gente não sabia o figurino um do outro e isso foi interessante. Os congelados são questionados o tempo todo. Duvidam da veracidade deles, acham que estão inventando, que querem aparecer, que querem entrar no Big Brother (risos)... E eles não têm malícia. Marocas tem um conflito com Betina quando ela vem cheia de sarcasmo. Marocas não entende, leva tudo ao pé da letra. Tenho cenas muito boas com a Cleo. Marocas coloca a Betina em seu devido lugar por meio de seus valores, sem precisar elevar o tom de voz, sem xingar ou agredir. É muito interessante descobrir este universo que eu não tinha referência alguma.

+ Atriz e ex-modelo Luiza Brunet pede desculpas por ofender faxineiras

QUEM: E existiu alguma preparação especial para o papel?
J.P.: Tive palestras sobre o século 19. E sobre o lance da criogenia, essa parte da ciência, é um passo à frente. Nos Estados Unidos, existem pessoas pagando para ser congeladas, é real. De um lado há os cientistas, liderada pelos personagem da Eva Wilma. Eles vão conflitar diretamente com o lado humanitário do Samuca. Ele sabe que essas pessoas têm com sentimentos estão assustadas e precisam de cuidado depois de serem descongeladas. A trama é muito bem amarrada. O texto do Mário é ótimo e o contraste é apaixonante, é o grande lance.

+ Atriz Bianca Rinaldi volta a Malhação

QUEM: Sente um peso ou uma responsabilidade maior por ser a protagonista da novela?
J.P.: Uma protagonista é um reconhecimento do nosso trabalho. A gente sempre planta sementinhas e elas vão germinando. Não encaro como um peso porque estou dividindo com elenco de primeira. É como no futebol: se o Neymar marca gol, muita gente passa a bola até ele. É um trabalho diário. A gente precisa do olhar do outro. A Fernanda Montenegro, com toda experiência de anos de carreira, diz isso: “Preciso do olhar do outro ator com quem contraceno”. É uma troca. Ninguém está sozinho em um posto maior. Eu encaro como uma oportunidade, assim como todas as outras que eu já tive e agarrei. Quero sempre fazer da melhor forma.

+ Atriz Christiane Seidel não estava entre as indicadas na 70ª edição do Emmy Awards

QUEM: Muito tem se falado da química entre você e o Nicolas Prattes. E como é o trabalho com os atores mais experientes?
J.P.: O Edson [Celulari] é um querido. Tive duas cenas com ele em A Força do Querer. A preparação desta novela toda começou com nós dois. Esse pai e essa filha tem uma relação especial. A Rosi é generosa demais, especial... Imagina... Ela é minha infância assistindo ao Castelo Rá-Tim-Bum. Eles são dispostos ao trocar, ao jogar junto. Somos uma família mesmo. A Chris [Christiane Torloni] também é incrível.

QUEM: Como foram as gravações em São Paulo?
J.P.: Adorei, estou adorando! Começamos a gravar em maio, em Angra dos Reis [no Rio de Janeiro], as cenas do resgate. Depois viemos para São Paulo. Eu vinha para São Paulo em esquema bate e volta. Agora pude conhecer mais a cidade. Fui ao Parque do Ibirapuera – que não conhecia ainda – passeei na Paulista à noite. São Paulo tem muita coisa acontecendo o tempo todo, tem uma ótima atividade cultural e é uma ótima cidade para ambientar a nossa história.

QUEM: Como foi a composição da Marocas?
J.P.: Ela tem um linguajar diferente. De certo que sim, de certo que não... Não posso ter o meu chiado carioca, é uma fala mais neutra. Em muitas cenas com a Chris e com o Nicolas, Marocas o questiona: "Vocês não entendem português?" (risos). Para o visual inicial usava um aplique de tic-tac, mas a Marocas estava doida para cortar o cabelo. Também foi divertida a cena em que ela compra lingerie, afinal, até então, usava espartilho que, devo confessar, é muito desconfortável. Ela fica apaixonada pela máquina de café expresso. Marocas quer aproveitar as coisas boas do século 21. Sei que sou suspeita, mas esta história é muito legal.

QUEM: Você foi protagonista de Além do Horizonte e emendou a novela com outras coadjuvantes. Isso te causou alguma frustração?
J.P.: Assim como não encaro o peso de ser protagonista, também não encaro como peso não ser. Em Totalmente Demais, a Cassandra tomou uma proporção muito grande na trama, algo além do previsto. Em A Força do Querer, a Simone estava em um núcleo que falava de uma questão importante, contracenava com tanta gente boa... Nosso trabalho é sempre observado e as oportunidades chegam. A Marocas é reflexo disso.

QUEM: Ainda é muito lembrada pela Fatinha, de Malhação?
J.P.: Ela é um acontecimento! Fatinha ainda é muito presente na memória afetiva do público. Não era a minha primeira personagem na televisão. Para muita gente que faz Malhação é o primeiro contato com a TV e não era o meu caso. Fatinha não era um papel cômico e foi se tornando após um olhar meu que a autora acabou comprando. Foi um trabalho muito especial e estava cercada de amigos. Diretores de outros horários da faixa de programação vinham me cumprimentar na praça de alimentação por este trabalho. Quando você faz o que acredita o resultado vem.

QUEM: Existe algum tipo de medo de julgamento, de críticas?
J.P.: Existe, mas não é o meu foco. Tem que dar o devido valor ao que falam para não virar desperdício de energia. A gente está exposto, estamos sujeitos a isso [críticas]. O importante é saber lidar com elas. Nunca quis ser famosa, quis ser atriz.

QUEM: Você começou a carreira cedo. Em algum momento já pensou em ter outra profissão ou sempre quis ser atriz?
J.P.: Se eu não fosse atriz, acho que seria professora. Adoro criança.

QUEM: A fama não te deslumbra?
J.P.: Não. Posso estar em um elevador com um médico que acabou de salvar uma vida. Entra alguém e me cumprimentam pelo meu trabalho. Quem é o mais importante? Poxa o médico que acabou de salvar uma vida! Mas não desmereço nosso trabalho de maneira alguma. Levo em conta que a TV faço companhia para quem mora sozinho, pessoas que se identificam com a história que contamos.

QUEM: A Marocas é uma jovem que se impõe, opinia... Você gosta de se posicionar?
J.P.: Sempre fui educada a me posicionar, tudo depende da forma como você se posiciona, tem que respeitar as diferenças. Obrigar o outro a pensar como você é burrice. É na troca que está o crescimento. Os contrastes nos ensinam a respeitar. Se a vida é uma viagem só ela tem que ser feliz.

QUEM: A que atribui o sucesso do casal Marocas e Samuca (Nicolas Prattes)?
J.P.: O romance da Marocas e do Samuca vai pegar fogo. Hoje em dia, as coisas estão muito práticas. A empatia entre eles vai funcionar. O bacana é o não julgamento. Quando ela para de reparar que ele usa bermuda, ela o valoriza.

QUEM: E você? É romântica, está feliz no amor?
J.P.: Estou feliz! Sou romântica, mas também tenho atitude por querer deixar tudo muito claro. Joguinho é gostoso só até certo ponto.
Namorando o ator Nicolas Prattes, que vive seu par romântico na trama, ela mantém a discrição quando o assunto é vida pessoal.







Fonte: revista quem Fotos: Divulgação

Em destaque